Donald Trump anda dizendo que o efeito estufa é uma invenção e Michel Temer defende o Caixa 2. Por isso a gente sugere um presente de Natal perfeito para os dois: a editora José Olympio lançou uma nova edição de O menino do dedo verde, de Maurice Druon (1918-2009). Com capa dura e ilustrações feitas especialmente por Walter Lara para esta nova versão (uma delas ilustrando este post), o livro, um clássico em muitas infâncias, pode quem sabe deixar algo de bom florescer no coração dos presenteados.

Druon lançou O menino do dedo verde em 1957, quando já era um escritor reconhecido por livros desesperançosos e de forte conteúdo político. A saga de Tistu, o menino que corre o mundo sempre disposto a semear o bem, é uma lufada de doçura e esperança em obra tão agridoce.

Um pequeno herdeiro de Ulisses, o personagem-título perambula por lugares problemáticos, interagindo com seus habitantes em busca de soluções. Um exemplo é Mirapólvora. Para entender por que o lugarejo está ameaçado pela disputa entre os Voulás e os Vaitimboras, Tistu recebe uma aula de geografia e estratégia com o Sr. Trovões: “A gente sabe onde uma guerra começa, mas nunca onde vai parar”, diz o professor. Atualíssimo.

 

ReproduçãoSobre o livro:

O menino do dedo verde, de Maurice Druon.

Tradução de D. Marcos Barbosa. Editora José Olympio, 128 págs, R$ 59,90.