No desenho animado como nos museu brasileiros: donas-de-casa querem proibir nudez do David, de Michelangelo

No desenho animado como nos museu brasileiros: donas-de-casa querem proibir nudez do David, de Michelangelo

Da contusão de Neymar na Copa à eleição de Donald Trump, a série Os Simpsons cravou diversas vezes piadas que pareciam estar antevendo o futuro. Foram mais de 20 ao longo dos quase 600 episódios, como o advento dos smartwatches, a crise do ebola, a deportação de imigrantes ou os constrangimentos causados pelos corretores ortográficos dos celulares.

A recente investida de movimentos ultraconservadores a manifestações artísticas no Brasil acrescenta uma nova previsão à lista.

No nono episódio da segunda temporada da série, Marge Simpson lidera uma campanha que consegue censurar o desenho animado Comichão e Coçadinha (Itchy and Scratchy), por julgá-lo muito violento. Logo surgem os primeiros e inimagináveis resultados. Os novos desenhos exibidos no lugar dos que foram proibidos são tão chatos que a criançada de Springfield abandona a TV e redescobre a alegria de brincar pelas ruas. A sequência é lírica e uma das melhores das 28 temporadas. O badass Nelson aparece pintando uma cerca de branco, em uma referência escandalosa a Tom Sawyer. Algumas crianças pulam corda, outras apenas curtem lagartear ao sol.

Mas aí vem o diretor do museu da cidade e anuncia a passagem por Springfield de uma mostra que exibirá… O Davi de Michelangelo.  A casa cai. Indignadas, e lideradas pela mulher do pastor, as mães se organizam para vetar a exibição, que chamam de “pornografia italiana”. O episódio está em exibição no Brasil pela Fox e disponível aqui para download. Vale muito a pena ver.