I.

 

e outra vez canto as armas e os varões

nos mares nunca

Dantes mergulhados

aos quintos dos infernos até que

ficassem (sem respiro)

assinalados

desde o berço para a mesma

 

apneia inavegável

navigare necesse, vivere é pra mocinha

já disse um general

 

 

II.

 

você,

eu

também sou um substantivo

comum

sitiado

na patologia do entre

lugar: jamais ter sido

preto

branco

pobre

rico

gay

hétero

forte

fraco

feliz

triste

o suficiente

 

ad hominem per litteras

 

o desafio de ser revolução

no ar

:

volúvel

 

III.

 

O Rio de Janeiro

15 assassinatos

por dia

e 130 saraus

de poesia

 

se eu me chamasse raimundo

uma rima

e um solucinho

 

IV.

 

o fabinho era o meu primo que

sempre foi malandro

e eu era o otário

 

no polícia e ladrão sempre

me lascava, só azeitona nas ideia

 

cuca fundida, vida bandida

 

a gente se se-

parou na estrada

 

ele morreu cheio de bala

virou poesia

e não se enganem continuei

otário

 

V.

 

todo o mundo é composto de mudanças

tomando sempre novas qualidades

 

agora por exemplo, entramos

nos anos 1990, espero

ansioso o novo disco da Legião

 

enquanto em Brasília às 19 horas

a única coisa

que presta

é o Nicolas Behr.

 

VI.

 

alerta este poema não

foi escrito

para a internet das

coisas nem as coisas

da internet

 

PT saudações 2019

somos

todos

seminovos

 

VII.

 

ah não

fica vai ter bala

 

é cedo ainda tem poesia

vamos dançar o moonwalker

 

ninguém pega a mão de ninguém

estão todos se masturbando

 

deixa eu olhar na janela

a previsão para ontem

 

diz que vai ter

tempo           aberto

sujeito

indeterminado

a pancadas

 

também da nossa

chuva ácida

 

e um sol de matar.

 

+++

 

O poema de Henrique Rodrigues faz parte do livro “Previsão para ontem” (editora Cousa), que será lançado dia 16 de abril, a partir das 19h, na Casa Porto.  A imagem que ilustra o texto é de Rosana Palazyan e integra a série “…uma história que você nunca mais esqueceu?”, que a artista visual criou com base em depoimentos de adolescentes internados em instituição por infringirem as leis.

 

P.S. Por insuficiência de recursos do Worpress, não foi possível reproduzir, conforme o livro, os espaçamentos gráficos que o autor instituiu nos versos do poema.