Iniciar Sessão

Opa! Você precisa fazer o login para acessar as funcionalidades do Centro de Leitura!

Esqueceu-se da password?

Pesquisar o site...

Reiniciar

Autor

1419 1
Ler mais tarde Remover

O que se segue

Quem tem medo de Mauro Rasi?

  Neste texto feito especialmente para a Caju, o dramaturgo Gustavo Pinheiro, autor de A tropa, mergulha no universo de...

A ‘gênese da família brasileira’

Alguns atores com quem Mauro Rasi trabalhou deram depoimentos exclusivos para a CAJU sobre como era trabalhar com ele. Falaram...

O deserto como alegoria do tempo

Com 3 mil metros de altitude e céu cristalino, o Deserto de Atacama, no Chile, é um dos mais...

Os comentários estão encerrados.

1 Comentário

  1. Vou comoartilhar. Sensivel exposição de como é através da arte que um pensamento crítico pode germinar, arte para além da palavra, agregadora no meio de tanta ruptura e violência. A arte como a violência do pensar e do sentir para além do outro, mas uma convocação para a própria pele, a começar pela do artista, pele como palco e cenário dessa tragédia humana. A arte como último recurso capaz de não banalizar a violência. Verônica Dantas